14 Novembro 2021
Diversos / BLOG

Economia Empresarial

Imobiliárias Figueira da Foz

A economia empresarial é o estudo de como direccionar recursos escassos na produção de um bem ou serviço, de modo a atingir mais eficientemente os objectivos de uma empresa. Estuda métodos/modelos úteis para direccionar os recursos de uma empresa de modo a maximizar o seu bem-estar e o seu lucro, de forma sustentável.

A tomada de decisão de como afectar os recursos às diversas actividades é um processo crítico para o sucesso da empresa, porque a escassez de recursos implica que, ao tomar uma decisão, se abandona outra. É portanto fundamental tomar as decisões mais acertadas em cada momento.

A natureza das decisões que os gestores têm que tomar envolve uma multitude de questões:

Qual a cultura da empresa, que identifica a forma de ser da empresa e a forma como se relaciona com os seus “stakeholders”, e que fortalece a coesão entre departamentos, promove a motivação e lealdade dos colaboradores, e determina assim o seu sucesso no mercado? A cultura da empresa é determinada por cinco componentes:

Missão: Para que serve a empresa? Razão de ser e finalidade primordial da empresa, um conceito perdurável.

Visão: Para onde queremos ir? Sintetiza os objectivos de ordem superior. É a abstracção da missão num projecto tangível que desenvolve a empresa.

Valores: Quais as convicções interiorizadas e aplicadas por todos os colaboradores no seu trabalho e nas suas relações com clientes, fornecedores e parceiros. Os valores são o núcleo da cultura! Dão uma noção de identidade entre colaboradores e empresa.

Políticas gerais: Quais as linhas gerais de actuação?

Moradias Figueira da Foz

Visam alcançar os conteúdos da missão e os objectivos formulados pela visão, de forma consistente com os valores. Exemplos de políticas a definir:

Investigação, desenvolvimento e inovação;
Desenvolvimento de produtos e prestação de serviços;
Comercial e de marketing;
Qualidade;
Ambiental;
Segurança;
Gestão de recursos humanos;
Saúde e segurança no trabalho;
Não discriminação e igualdade de oportunidades de emprego;
Justiça salarial, formação, carreiras, mobilidade interna, ética e conduta.

Estratégias: Que objectivos atingir e como os atingir, tendo em atenção a missão, a visão, os valores e as políticas. Determinam, numa base plurianual, os objectivos, o quadro de acções da empresa para os atingir, e o desdobramento em objectivos e acções anuais.

A definição das estratégias envolve outras decisões:

– Que estratégia adoptar para garantir o sucesso da empresa?

– Que produtos/serviços comercializar (a oferta) para satisfazer determinadas necessidades do mercado (a procura)?

– Deve-se especializar em produzir um único produto ou diversos diferentes e/ou complementares?

– Qual a política de preços a praticar? Que promoções e campanhas de publicidade fazer e quando fazê-las?

– Que matérias-primas comprar e a que preço, de modo a fornecer os produtos a preços competitivos? Quando as aprovisionar, de modo a estarem disponíveis para a produção quando necessário, mas minimizando stocks?

– Devem-se comprar alguns componentes/serviços a outros fabricantes ou produzi-los internamente?

– Que equipamentos adquirir e instalar para produzir os produtos/serviços de forma eficaz e eficiente? Qual o “layout” dos equipamentos de modo a optimizar a produção?

– Que colaboradores (com que competências técnicas e comportamentais) e quantos contratar de cada tipo?

– Como assegurar que se vão dedicar a produzir produtos de qualidade?

Quais as melhores políticas salariais e de recompensa seguir?

– Quais os processos de produção mais adaptados às necessidades da empresa e do mercado?

– Que mecanismos de controle instalar para garantir que os objectivos são atingidos dentro dos prazos estabelecidos, que os produtos e serviços têm a qualidade desejada, e que os recursos são usados eficientemente?

– Como é que as acções de empresas concorrentes vão afectar essas decisões?

Para além dos modelos económicos usados na gestão da empresa, é ainda fundamental que os gestores usem bom senso. Sem ele, não há modelos económicos que nos valham.

Ernesto Morgado, empresário, in “Diário as Beiras”